Entrevista: A Qualidade do Tempo Entre Mãe e Bebê

Entrevista: A Qualidade do Tempo Entre Mãe e Bebê

Por Carla Miyashiro

 

Há um tempo ideal estipulado para mães brincarem com seus filhos?

Não, o ideal é a qualidade do movimento de interação entre eles, investida no tempo que cada mãe pode ter com seu filho. A brincadeira é a forma natural utilizada pela criança para expressar o seu ser, é quando ela elabora suas vivências, sentimentos de amor, prazer, angústias, frustrações, entre outras experiências.

Que benefícios esta interação pode trazer para o bebê / criança?

A interação entre a mãe e o bebê é fundamental para o desenvolvimento emocional e psicológico. O amor e afeto que a criança recebe da mãe nesta fase da vida possibilitam que ela estabeleça vínculos afetivos saudáveis no decorrer de sua vida.

Quais as recomendações a senhora indica para as mães que trabalham fora possam desenvolver os filhos afetivamente?

Investir na qualidade da relação com seu filho. As sensações de acolhimento e segurança são estabelecidas durante as pequenas vivências cotidianas, na hora de colocar o bebê para dormir, na horar de alimentá-lo, de trocar a fralda, entre outras.

Quais atividades são indicadas para que mãe e filho possam fazer juntos neste tempo?

Existem brinquedos pedagógicos desenvolvidos para cada idade da criança. No entanto, ressalto que é possível transformar cada momento em uma brincadeira: desde a hora da amamentação, durante a qual a mãe pode cantar ou conversar suavemente com a criança; até o banho, que também pode ser divertido.

Primeiros passos

O que a mãe pode fazer para encorajar seu filho a começar a andar?

A mãe pode segurar as mãos do bebê para que ele se sinta mais seguro e confiante, desde que não o force para esta tarefa e que esteja na idade adequada para não machucá-lo. Geralmente, a criança começa a andar a partir de 11 meses ou 1 ano de idade.

Afastar-se alguns metros do bebê e incentivá-lo chamando-o para vir até você é uma boa opção?

Sim, desde que ele já demonstre vontade e certa familiaridade em seus primeiros passos. O ideal é segurar as mãos dele, e, conforme estiver mais confiante, soltar uma das mãos. Quando ele conseguir dar alguns passos sozinhos, aí sim, chamá-lo para vir até você.

O uso de brinquedos é indicado? Se sim, quais?

Sim. Brinquedos adequados para a idade, para não colocar em risco a saúde das crianças. Os coloridos costumam atrair mais os bebês, já os tecnológicos, costumam irritá-los e não o ajudam em seu desenvolvimento.

O andador é um bom aliado?

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o uso do andador não é indicado devido a inúmeros acidentes que este aparelho pode ocasionar e pelo fato de, em alguns casos, atrasar o desenvolvimento psicomotor da criança. A confiança e o apoio da mãe são os melhores aliados nesta importante tarefa do filho. Com isso, o bebê vai poder andar naturalmente quando estiver estruturado e seguro.

O ideal é que o bebê fique descalço?

Estar descalço favorece o andar porque é possível sentir o pé inteiro tocando o chão, mas não há problema em usar meia antiderrapante ou sapatos bem presos aos pés.

É importante que o bebê ande em locais diferentes, além da casa, como na rua, na grama ou na areia?

É bom que o bebê explore ambientes diferentes, como grama e areia, mas se for andar na rua, é importante que não esteja descalço para não machucar os pés.

Como agir com possíveis tombos?

Com naturalidade e tranquilidade. Desta forma, o bebê sente segurança ao perceber que está tudo bem e pode confiar novamente em seus próximos passos.

 

*Entrevista publicada no site Atmosfera Feminina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *